Dobradinha Literária #28: Peter Pan – Livro x Filmes

images (1)Em minha humilde opinião, foram tantas as produções de cinema sobre este tema que sinto como se violassem uma obra tão bonita e tão bem intencionada. Claro que no mundo a reciclagem de idéias sempre alavanca sucessos, mas quando se perde totalmente a referência de um trabalho, deixando de lado os pontos mais importantes, o resultado final fica vazio e sem sentido.
Conheça os pontos básicos da obra de J. M. Barrie:
Peter Pan conta as aventuras dos irmãos Wendy, João e Miguel na ilha da Terra do Nunca. Numa noite, ao voltarem de um jantar na casa de um vizinho, o sr. e a sra. Darling se deparam com o quarto das crianças vazio. A sra. Darling já sabia o que acontecera: Peter Pan voltara para buscar a sua sombra e acabou levando as crianças embora. De fato, Wendy acordou com o choro de Peter em seu quarto. Descobriu que ele estava triste por não conseguir ter de volta a sua sombra (ele tentara grudá-la em seus pés com sabonete). Depois de ajudá-lo costurando a sombra à seus pés, Wendy é convencida por Peter a viajar com ele até a Terra do Nunca, pois ele lhe prometera fadas, sereias e muitas aventuras. Só que, além de sua companhia, Peter estava interessado em suas histórias e em seu papel como mãe. Pois ele faz parte dos Meninos Perdidos, garotos pequenos sem mãe nem pai. E o sonho dos meninos era ter uma mãe que cuidasse deles, contasse histórias e os pusesse na cama antes de dormir.
Persuadida por Peter, Wendy acorda seus irmãos e, depois de aprenderem a voar com o pó de Sininho, a fada amiga de Peter Pan, os três partem para a Terra do Nunca. Depois de dias e de muitas aventuras em pleno voo, eles alcançam a ilha e, a partir daí, passam a conviver com os seres que lá habitam: Meninos Perdidos, animais selvagens (inclusive um crocodilo que engoliu um relógio e que por onde ele passa dá para se ouvir um “tique-taque”), índios peles-vermelhas e, é claro, os piratas. Numa trama repleta de intrigas e alianças, esses grupos vivem se metendo em aventuras e confusões, sempre existindo uma briga na qual os Meninos Perdidos se metem.
imagesLendo a obra percebemos que os personagens são excepcionalmente  construídos. Cada um com a sua personalidade. Peter Pan é um garoto bem peculiar, com sua dualidade explícita: ora bom, ora traiçoeiro. Talvez isso aproxime ainda mais o leitor do personagem.Sem sombra de dúvidas nota dez para a obra!
Acredito que vocês tenham pelo menos assistido ao trailer desta nova produção sobre Peter Pan. O diretor escolhido para nos guiar nesta aventura foi Joe Wright . Entre seus trabalhos estão clássicos como Desejo e Reparação e Orgulho e Preconceito e uma versão de Anna Karenina rendendo-lhe uma indicação ao Oscar. Joe Wright aceitou a direção mesmo sem jamais ter dirigido um blockbuster.
Assistindo ao primeiro filme, tive a sensação de uma possível trilogia. Será?
Gostei muito dos efeitos especiais (assisti ao filme em 3D dublado – afinal ganhei a entrada de presente devido ao dia dos professores), a dinâmica dos personagens é ótima e um roteiro bem amarradinho. Porém a sensação de vazio foi imensa! Porque quando se é um leitor, a comparação com a obra literária original é obvia.
images (2)No filme, Peter (Levi Miller) é um garoto de 12 anos que vive em um orfanato em Londres, no período da Segunda Guerra Mundial. Um dia, ele e várias crianças são sequestradas por piratas em um navio voador, que logo é perseguido por caças do exército britânico. O navio escapa e logo ruma para a Terra do Nunca, um lugar mágico e distante onde o capitão Barba Negra (Hugh Jackman) escraviza crianças e adultos para que encontrem pixum, uma pedra preciosa que concentra pó de fada (pó que o mantém sempre jovem). Em pleno garimpo, Peter conhece James Hook (Garreth Hedlund), que tem planos para fugir do local.
Como assim? Barba Negra ? kkkk   Este foi um entre tantos choques que levei ao reconhecer os personagens!
Pra encerrar nosso bate papo quero citar num momento nostálgico um filme da década de 90 que marcou minha infância por ser encantador e fiel em muitos pontos a obra original.
Saudades eternas Robin Williams !!
Anúncios

Dobradinha Literária #27: Desventuras em Série Vol.03 : O Lago das Sanguessugas

Com sua estranha franqueza, na contracapa deste livro o autor manda um recado a seus possíveis leitores: Se você ainda não leu nada sobre os órfãos Baudelaire, é preciso que antes mesmo de começar a primeira frase deste livro fique sabendo o seguinte: Violet, Klaus e Sunny são legais e superinteligentes, mas a vida deles, lamento dizer, está repleta de má sorte e infelicidade.

Se você não tem estômago para engolir uma história que inclui um furacão, uma invenção para sinalizar pedidos de socorro, sanguessugas famintas, caldo frio de pepinos, um horrendo vilão e uma boneca chamada Perfeita Fortuna, é provável que se desespere ao ler este livro. Continuarei a registrar essas histórias trágicas, pois é o que sei fazer. Cabe a você, no entanto, decidir se verdadeiramente será capaz de suportar esta história de horrores.

#15 Aparecida, Rodrigo Alvarez

O-LIVRO-APARECIDANo dia 12, foi o dia de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil. E a resenha é de Aparecida, do jornalista e correspondente da TV Globo, Rodrigo Alvarez. O livro é fruto de pesquisas minuciosas sobre a história da santa e tem histórias deliciosas.

Fácil de ler com uma linguagem simples e acessível. Devorei o livro em dois dias. Além disso, Rodrigo é extremamente simpático e interage com os leitores através de seu twitter @rodrigoalvarez

Podemos descobrir histórias inimagináveis e o livro tem fotos incríveis.

Em tempos de crise, é uma boa opção de presente, em qualquer ocasião. O livro foi lançado em setembro de 2014 e já vendeu 150 mil exemplares. Esteve algumas semanas na lista dos mais vendidos.

Super recomendo!

Sinopse: ‘Aparecida’, a biografia da santa que perdeu a cabeça, ficou negra, foi roubada, cobiçada pelos políticos e conquistou o Brasil. Fruto de pesquisas realizadas no Brasil e no exterior pelo jornalista Rodrigo Alvarez traz três séculos de história sobre a padroeira do país. Narra, por exemplo, a noite em 1978 em que um homem atormentado invadiu a basílica de Nossa Senhora Aparecida e destruiu a imagem da santa – atentado que se desdobrou em uma sequência de acontecimentos cheios de mistérios, como numa trama cinematográfica. Este é apenas um dos eventos que cercam ‘Aparecida’ e, à medida que se desenrolam, vão se confundindo com a própria História do país. Ilustrada, a obra descreve personagens curiosos – o padre que tirava a santa do altar às escondidas; o governador que cortava cabeças; a restauradora irritada; o frei que enfrentava corruptos. E também revive personalidades marcantes, como a princesa Isabel, que lhe deu a coroa; o general Médici, que financiou uma peregrinação pelo país da ditadura; e os três últimos papas, João Paulo II, Bento XVI e Francisco, que fizeram questão de beijá-la.

 

Dia da Criança

O Dia da Criança foi na última segunda-feira, dia 12, e vamos comemorar aqui no Coração Literário.

As dicas de livros infantis são os da minha infância:

as sete1- As sete cidades do arco-íris, de Teresa Noronha

O livro da minha infância. Li umas vinte vezes. Falava de umas cidades cujos habitantes tinham nomes de pedras preciosas. E estavam em guerra. Até que um menino da Terra, Ricardo, trouxe a paz à elas.

2- Memórias de um Fusca, de Orígenes Lessa

Li muita coisa de Orígenes Lessa na infância e adolescência, mas esse livro foi o que mais me marcou. Pioneiro. Antes do filme da Disney Se meu fusca falasse.

3- Tistu, o menino do dedo verde, Maurice Druon

Tudo que Tistu tocava, nascia plantas. Um livro lúdico e puro. Inesquecível.

4- Para gostar de ler, todos os volumes

Neste livro passei a amar Carlos Drummond de Andrade, Paulo Mendes Campos, Rubem Braga e Fernando Sabino. Ótimas crônicas. Li todos os volumes!!

5- O Pequeno Príncipe, de Saint Exupery

Não é livro só de miss. É um clássico infantil e para adultos também. O primeiro livro que ganhei, aos três. Mas só li, mesmo, bem mais velha. Presente de minha avó Constança!! Quase todos os meus livros de infância foram presentes da minha vovó.

 

 

Dobradinha Literária #26: Desventuras em Série Vol.02 – A Sala dos Répteis

Lemony Snicket é um autor que não pode ser acusado de falta de franqueza. Sabe que nem todo mundo suporta as tristezas que ele conta e por isso – para que depois ninguém reclame – faz questão de avisar: ‘Se você esperava encontrar uma história tranqüila e alegre, lamento dizer que escolheu o livro errado. A história pode parecer animadora no início, quando os meninos Baudelaire passam o tempo em companhia de alguns répteis interessantes e de um tio alto-astral, mas não se deixem enganar…’. Os Baudelaire têm mesmo uma incrível má sorte, mas pode-se afirmar que a vida deles seria bem mais fácil se não tivessem de enfrentar o tempo todo as armadilhas de seu arquiinimigo: o conde Olaf, um homem revoltante, gosmento e pérfido. Em ‘Mau Começo’ ele deu uma pequena amostra do que é capaz de fazer para infernizar a vida de Violet, Klaus e Sunny Baudelaire – e aqui as coisas só pioram.

Dobradinha Literária #25 : Desventuras em Série Vol.01 Mau Começo

Mau começo’ é o primeiro volume de uma série em que Lemony Snicket conta as desventuras dos irmãos Baudelaire. Violet, Klaus e Sunny são encantadores e inteligentes, mas ocupam o primeiro lugar na classificação das pessoas mais infelizes do mundo. De fato, a infelicidade segue os seus passos desde a primeira página, quando eles estão na praia e recebem uma trágica notícia. Esses ímãs que atraem desgraças terão de enfrentar, por exemplo, roupas que pinicam o corpo, um gosmento vilão dominado pela cobiça, um incêndio calamitoso e mingau frio no café da manhã. É por isso que, logo na quarta capa, Snicket avisa ao leitor: ‘Não há nada que o impeça de fechar o livro imediatamente e sair para uma outra leitura sobre coisas felizes, se é isso que você prefere’.