Feliz Ano Novo!!

livroCoração Literário faz um breve recesso e volta com força total em 4 de janeiro!

Obrigada pelo carinho e pela companhia!

Feliz 2016!! Saúde, paz e amor a todos os colunistas e aos leitores do Coração Literário!!

#21 Para sempre Alice, de Lisa Kudova

para sempre aliceO livro inspirou o filme que deu a Julianne Moore o Oscar de Melhor Atriz 2015.

Devorei o livro e adorei! A leitura é fácil, corrida e em nenhum momento te desanima ou te cansa. Muito bem escrito com uma narrativa que te envolve e te emociona. Fiquei muito comovida com o livro.

Você embarca no drama da doutora Alice Howland e acaba sacando nas páginas finais quando ela começa a se esquecer de seus próprios filhos. Não dá para parar de ler. O livro realmente consegue te conquistar. Eu li depois de ver o filme e percebi que ele é bem fiel à ele.

Também gosto de livros com letras grandes. Tenho presbiopia e facilita a leitura enormemente.

Super recomendo! É maravilhoso!  Impossível não se envolver com o drama de Alice que adquire o Mal de Alzheimer precocemente. Perde seu emprego, começa a se sentir inútil mas acaba encontrando foraças ao fundar um grupo de apoio com pacientes que têm a doença precocemente como ela. Há confrontos psicológícos principalmente com seu marido John que não segura a barra de ter uma mulher doente e não abre mão de sua vida acadêmica.

 

Dobradinha Literária #33: Uma Garota Encantada

Olá queridos! Deixo minha última postagem deste ano com muito carinho. Precisarei me ausentar durante o mês de janeiro todo.. Retorno às atividades no blog em Fevereiro de 2016.

Desejo a todos um final de ano especial! E novos sonhos para o ano que se inicia!

Vamos a resenha?

Ella enfeitiçada

Sinopse: No dia em que nasceu, Ella foi presenteada por uma fada. Infelizmente, a dádiva não poderia ter sido mais descabida – o dom da obediência. Ela deve obedecer a qualquer ordem que lhe dêem, por mais absurda que seja, como, por exemplo, cortar fora a própria cabeça! Mas a obstinada Ella não se submete. Contra uma infinidade de ogros, gigantes, malvadas irmãs postiças e fadas desengonçadas, a menina enfrenta uma longa e magnífica jornada na tentativa de quebrar a maldição – de uma vez e para sempre. 

A medida que o tempo passa, Ella percebe o mal que este dom poderia lhe causar, sem ter a opção a contestar quando alguém,por exemplo,  lhe dá uma ordem direta: se lhe mandassem matar a própria mãe, ela teria que fazer isso, caso contrário sua cabeça começaria a doer até que obedecesse a ordem.

Este livro me fez pensar o quanto excessivamente somos obedientes, ou mesmo até adestrados por outras pessoas, satisfazendo suas vontades e orgulhos feridos. Penso que este livro nos traz a possibilidade de compreender melhor o real significado da palavra obediência.

Ela consegue conviver com seu dom por causa de sua mãe.  Após a morte dela, a menina fica aos cuidados de seu pai, sempre ausente e extremamente avarento.
O consolo nesta história surge com a descoberta de quem é sua fada-madrinha e o surgimento de uma amizade inesperada: o príncipe Charmont, ou Char, como prefere ser chamado, que se revela um bom amigo.

Não nego que a história possa ser comparada a uma adaptação do conto da Cinderela porém de uma maneira bem criativa.
encantada Anne Hathaway participa da produção cinematográfica lançada em 2005. O livro não ganhou o destaque merecido, mesmo com as filmagens, porém vale a pena assistir acompanhado de uma boa porção de pipoca na sessão da tarde.
Sinopse do Filme :
Ella (Anne Hathaway) ganha um insólito presente de sua madrinha Lucinda (Vivica A. Fox): o dom da obediência. Com isso ela é obrigada a fazer tudo o que as pessoas mandam, independente do que seja, sem ter como se recusar. Após seu pai (Patrick Bergin) se casar novamente, sua vida piora ainda mais. Após sua madrasta Olga (Joanna Lumley) e as filhas dela, Hattie (Lucy Punch) e Olive (Jennifer Higham), descobrirem que Ella está sob o efeito do dom da obediência passam a explorá-la cada vez mais. Decidida a mudar de vida, Ella sai de casa e inicia uma viagem para reencontrar sua madrinha, pois apenas ela pode desfazer o feitiço. No caminho ela encontra o elfo Slannen (Aidan McArdle), que decide acompanhar a viagem de Ella, e o Príncipe Char (Hugh Dancy), por quem se apaixona.
Confira o trailer : Uma Garota Encantada

#20 Frankenstein, de Mary Shelley

Frankenstein_07[1]Livraço! Mary Shelley foi muito feliz ao escrever a criação, a princípio do que seria um protótipo de clone, e que acaba virando uma aberração. Dr Victor Frankestein não aceitava a morte e resolve ele mesmo criar uma criatura para brincar de ser Deus. Não bastasse isso, reaviva o mito do Prometeu porque a criatura acaba estigmatizada e vista como algo das trevas.

Dr Victor se afastou de tudo e de todos para concluir o seu projeto. E detesta o que vê porque a criatura é horrenda. Se sentindo no limbo, a criatura resolve persegui-lo. Depois se exila na floresta, conhece uma famílai feliz e com ela aprende a ler, falar e se relacionar. Ela decide se apresentar ao patriarca que é cego, que o leva a conhecer a sua família que abomina a feiúra da criatura e o vê mal.

Então, a criatura decide matar os entes queridos de Victor para que ele sinta a mesma dor que ela sente por não ter família e se sentir solitário. O monstro pede a Victor que construa uma equivalente do sexo feminino. Victor aceita e volta com seu amigo Cleval para o interior para fazer o par pro monstro. Mas muda de ideia porque não quer criar uma geração de monstros. A criatura descobre o descumprimento do acordo e mata Cleval. Victor é acusado do assassinato do amigo mas prova sua inocência. Decide se casar com a amiga de infância, Elizabeth. Na noite de núpcias, a criatura mata Elizabeth enquanto Victor sai para fazer a guarda da casa. Victor desolado decide procurar a criatura e cai doente num navio. Ele conta a história ao capitão e morre. A criatura vê a morte de seu criador, chora e decide se exilar no Pólo Norte.

O livro é fantástico. Mary Shelley se arrependeu um pouco de tê-lo escrito porque foi muito perseguida, até foi acusada de não acreditar em Deus, na época. É um clássico delicioso que merece ser lido e relido.

Fala de solidão, de amor, da vontade que o homem tem de ser Deus, de criar algo sobrenatural. Mary foi criticada por ter criado um livro que fala de um ser sem alma e desumano, uma escória e por ter brincado de ser Deus.

Super recomendo!

Indico o filme Frankenstein de Mary Shelley e o mais recente Victor Frankenstein!

 

 

#19 Você me viu por aí? A busca da identidade depois do câncer, de Cristiana Castrucci

alguem me viu por aiQuando comprei esse livro, foi mais para entender como se processa a cabeça de alguém que descobre que tem câncer, visto que na minha família há muito casos, de tias dos dois lados, tanto do paterno, como materno. E sempre tive o temor de ter câncer de mama por esse histórico. Graças a Deus, não tenho e procuro sempre me cuidar e fazer os exames de rotina como mamografia e ultrassonografia de mama. Só que vi que a leitura desse livro é obrigatória não só para as pacientes, mas para todos aqueles que têm alguém na família com câncer.

Minha tia paterna, Maricota, faleceu em 24 de janeiro de 2015 de câncer de mama  e por mais que meu contato com ela não tenha sido tão frequente, o livro me foi útil. Minha tia materna, Mariana, faleceu em 1997, também de câncer de mama e foi muito doloroso porque ela não seguiu à risca o tratamento.

Cristiana Castrucci desmistifica a doença e o traz sob o ponto de vista da mulher. Ela, aocmetida de câncer de mama expõe todos os estigmas e tudo aquilo que envolve a nossa feminilidade: a perda da mama, a quimioterapia e posterior queda de cabelo, os altos e baixos, o follow-up de cinco anos até ser espaçado o tempo de controle da doença. E o faz de um jeito simples, sensível e direto.

Há depoimentos de várias mulheres que tiveram câncer de mama, em sua maioria, câncer de intestino e até de tireoide. Faltaram mulheres que tivessem tido câncer de ovário e de colo de útero, mas não tem como exigir muito. As pacientes aparecem, se aproximam e topam falar de um assunto delicado, mas ter relatos de mulheres com essas duas patologias enriqueceria ainda mais o livro, que tem belas fotos e colagens interessantes. Além de um parecer de uma psiquiatra, Priscila Castrucci no final.

Recomendo a todas  as mulheres que descubram um caso de câncer nelas mesmas ou filhas ou netas de mulheres que tenham tido um. Ajuda às pacientes e aos familiares porque a vida muda de uma hora para outra. Há tratamento e há esperança.

Super recomendo!

 

Dobradinha Literária #32 : A Evolução de Calpúrnia Tate

calpurnia-capa

– É impressionante o que se pode ver, apenas ficando sentado em silêncio e observando.

                                                                                                                                           Esse livro vai contar a história de Calpúrnia, uma garota que moral no Texas no ano de 1899 em um lugar que parece uma chácara ou fazenda. Calpúrnia tem outros seis irmãos e é a única garota entre eles. Com isso ela tem que atender a todas as expectativas que a mãe a impõe, como aprender a cozinhar, tocar piano e tricotar. Porém a garota não está interessada em nada disso, o que Calpúrnia gosta é de observar a natureza e é quando percebe que tipos diferentes de grilos aparecem devido ao clima é que a nossa protagonista começa a mergulhar cada vez mais nesse universo.

Ela vai atrás de A Origem das Espécies de Charles Darwin (1859) e, ao não encontrá-lo na biblioteca começa a formular teorias, até que um dia resolve confidenciá-las a seu avô, um homem que vive bastante afastado da família, apesar de morarem todos juntos.

O que Calpúrnia não sabia era que seu avô é um naturalista e tem feito por muitos anos o que ela acabou de começar a prestar atenção. Ele começa então a instigar a mente de garota, levando ela em suas expedições pela propriedade e fazendo com que ela anote tudo em sua caderneta, documentando suas descobertas.

Um dia, em umas dessas expedições, eles encontram o que pode ser uma nova espécie de planta e a expectativa sobre a descoberta os deixa em êxtase.

– Não tenho tantos dias pelas frente – ele disse, enquanto nos sentávamos na biblioteca. – Por que eu ia querer gastá-los com problemas de drenagem e contas em atraso? Preciso prestar atenção nas horas que tenho e usar cada uma delas com sabedoria. Lamento não ter percebido isso até chegar aos cinquenta anos. Calpúrnia, você faria uma boa coisa se adotasse essa atitude bem mais nova. Use com cuidado cada uma das horas que lhe são dadas.

O grande elemento chave do livro é a riqueza histórica e cultural. A autora traz referências da época, como por exemplo o primeiro telefone na cidadea primeira telefonista na cidade – algo inédito, pois uma mulher ter um trabalho como este, ganhando salário era algo inimaginável; o ventilador; A Coca-Cola “deliciosa e refrescante”, entre outros.

Ao decorrer do livro, fomos apresentados também aos elementos musicais de época como os rags de Scott Joplin e a música The Maple Leaf Rag e Auld Lang Syne.

Boa Leitura!

 

#18 Um amor para recordar, de Nicholas Sparks

um amor para recordarEu amo Nicholas Sparks e esse é o livro dele que mais me tocou. O amor de Jamie e Landon é puro e transcendental. A história é lacrimogênica, com um final triste ( uma das marcas de Sparks) mas o livro deve ser saboreado.

Ele fala da transformação do garoto mais popular e mais rebelde da escola, Landon, ao conhecer a menina doce, Jamie, filha de um pastor protestante e um anjo de pessoa. Eles acabam se aproximando por causa do teatro da escola onde Jamie se oferece para ajudá-loa a decorar suas falas. No início, ele aceita mas na escola finge que não é seu amigo por medo da reação da turma. Ela se ressente e o ignora. Então, ele percebe que já não consegue mais viver sem a sua presença e se apaixona por ela.

Acaba sabendo, por pressão do pai dela que é contra o namoro, que ela tem uma doença fatal. Landon é brigado com o pai e se reconcilia quando o mesmo banca todo o tratamento de leucemia de Jamie. O final já é o esperado, mas Landon acaba se tornando responsável e estudando Medicina.

Preparem os lenços!! O filme é bem fiel ao livro e vale a pena ser visto e revisto!! Perdi a conta de quantas vezes eu vi. Super recomendo!!

#17 Dom Casmurro, de Machado de Assis

dom casmurroUm dos melhores livros que eu já li na vida. Li no Colégio Marista São José. A primeira vez, a Capitu, para mim, era inocente.  A segunda vez, era culpada. Um livro genial, narrativo, cheio de detalhes e nuances, que traça um perfil psicológico de Capitu, Bentinho e Escobar. Um dos triângulos amorosos mais famosos da história da Literatura. Eu amo Machado de Assis. Se ele escreve em inglês, teria muito mais visibilidade, com certeza.

Um livro para ser lido, relido, devorado e sorvido, tamanha a beleza das descrições do Rio de Janeiro, e também a definição das personalidades dos personagens.

Quem ainda não leu, leia correndo!

Muitos definem Memórias Póstumas de Brás Cubas como o melhor livro de Machado, mas para mim, Dom Casmurro é o melhor disparado!!

Nele sabemos mais sobre ciúme, desconfiança e adultério. Leitura obrigatória!!