Dobradinha Literária #37 : Dragões do Éter Vol. 01 – Caçadores de Bruxas

download (1)

Editora: Leya                              
Páginas: 440                                    
Publicado em: 2010

“Se os sonhos são forjados no éter hoje… nós iremos tocar na quinta-essência.”

 Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga.

Temos neste livro um narrador que passa o tempo todo causando sensações estranhas em nós leitores. O livro é escrito em 3 atos principais e está repleto de referências sobre as histórias dos contos de fadas. A diferença é que elas  possuem uma realidade muito mais próxima da nossa, mais cotidianamente humana assim dizendo.

O primeiro ato define muito mais a estrutura de Nova Ether, sua organização, seu reinado. Já no segundo e terceiro ato, o nosso narrador deixa os capítulos mais soltos e sequenciais   (cito isso porque no primeiro ato.. santo deus!!! ele cortava tudo mudando de assunto quando estávamos quase no ápice de uma ação!!!)

O reino de Nova Ether consegue sua paz após um longo período de turbulências, quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta caça às bruxas.

Primo Branford é hoje o rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer… Conheceremos então os protagonistas que marcaram as muitas histórias infantis em um enredo de arrepiar.

Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. Dois irmãos comem estilhaços de vidro como se fossem passas silvestres e bebem água barrenta como se fosse suco, envolvidos pela magia escura de uma antiga bruxa canibal e sua casa de doces.

O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido na Terra do Nunca, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real.

Este é só o início de uma grande história, divida em três volumes, escrita por um autor nacional que ganha seu merecido destaque.

Boa Leitura!

Edição ilustrada de Harry Potter chega em junho

harrypotterA edição ilustrada de “Harry Potter e a Pedra Filosofal” já tem data para chegar às livrarias do Brasil. Sai em 1º de junho, pela Editora Rocco.

A pré-venda começa no início de março.

Os desenhos são de Jim Kay, vencedor da Kate Greenaway Medal

 

#31 1984 – George Orwell

1984Este livro é uma obra-prima que deu origem a expressão Big Brother e inspirou o reality show da Endemol.

Num futuro, num lugar onde os cidadãos são vigiados o tempo todo, surge a expressão Big Brother is watching you.

George Orwell faz uma crítica ao socialismo e ao comunismo da União Soviética onde o Estado manda em todos e vigia também. É um livro visionário que fala da exploração do proletariado, a perda de liberdade e a concessão de privilégios à uma pequena classe, os dominadores do sistema.

Um dos melhores livros que já li na vida. Recomendo também A Revolução dos Bichos.

 

Sinopse: Winston, herói de 1984, último romance de George Orwell, vive aprisionado na engrenagem totalitária de uma sociedade completamente dominada pelo Estado, onde tudo é feito coletivamente, mas cada qual vive sozinho. Ninguém escapa à vigilância do Grande Irmão, a mais famosa personificação literária de um poder cínico e cruel ao infinito, além de vazio de sentido histórico. De fato, a ideologia do Partido dominante em Oceânia não visa nada de coisa alguma para ninguém, no presente ou no futuro. O’Brien, hierarca do Partido, é quem explica a Winston que “só nos interessa o poder em si. Nem riqueza, nem luxo, nem vida longa, nem felicidade: só o poder pelo poder, poder puro”.
Quando foi publicada em 1949, poucos meses antes da morte do autor, essa assustadora distopia datada de forma arbitrária num futuro perigosamente próximo logo experimentaria um imenso sucesso de público. Seus principais ingredientes – um homem sozinho desafiando uma tremenda ditadura; sexo furtivo e libertador; horrores letais – atraíram leitores de todas as idades, à esquerda e à direita do espectro político, com maior ou menor grau de instrução. À parte isso, a escrita translúcida de George Orwell, os personagens fortes, traçados a carvão por um vigoroso desenhista de personalidades, a trama seca e crua e o tom de sátira sombria garantiram a entrada precoce de 1984 no restrito panteão dos grandes clássicos modernos.

Livros que inspiraram os filmes do Oscar 2016

Seis livros inspiraram filmes que concorrem ao Oscar 2016 cuja estatueta será entregue no próximo dia 28 de fevereiro.

São eles:

A_Garota_Dimarquesa1)A Garota Dinamarquesa

 

Lili Elbe é considerada a primeira mulher a realizar o procedimento cirúrgico de mudança de sexo, no ano de 1931. Elbe nasceu intersexual, com características masculinas e femininas, mas lhe foi atribuído o sexo masculino ao nascimento, e foi criada dessa forma. Seu antigo nome era Einar Wegener e até chegou a se casar antes da cirurgia. Essa história real inspirou David Ebershoff a escrever A Garota Dinamarquesa. A trama do livro é uma obra de ficção baseada na vida de Lili e que se utiliza de liberdade criativa para contar como era a relação da trans com sua antiga esposa Gerda. E é nessa história já ficcionalizada, que imagina detalhes da vida do casal, que o filme estrelado por Eddie Redmayne se baseia. No Oscar, o longa está indicado em quatro categorias: melhor ator (Redmayne), atriz coadjuvante (Alicia Vikander), figurino e direção de arte.

A Garota Dinamarquesa Autor: David Ebershoff Editora: Rocco Lançamento: 2010 Valor: 28 reais.

 

2) O  Regresso

Inspirado em fatos reais, o livro conta a história de Hugh Glass, um caçador que é atacado por um urso e termina gravemente ferido, sem chances de sobreviver. Seus companheiros o abandonam e levam consigo as armas e suprimentos, enquanto Glass os observa e é tomado por um desejo de vingança. O longa dirigido por Alejandro González Iñárritu é inspirado em partes do livro, como já avisa nos letreiros finais. Entre as mudanças está o filho que o protagonista ganha no cinema e reforça o desejo de vingança, enquanto que no livro ele apenas quer tirar satisfação com os homens que o roubaram. A jornada sem rumo não é tão longa originalmente, e a grande batalha final também nunca existiu. As muitas diferenças entre livro e filme podem ser o motivo de a produção não ter sido indicada ao Oscar de melhor roteiro adaptado. Contudo, o longa de Iñárritu aparece em doze categorias: melhor filme, diretor, ator (Leonardo DiCaprio), ator coadjuvante (Tom Hardy), fotografia, montagem, desenho de produção, figurino, maquiagem, mixagem de som, edição de solm e efeitos visuais.

O Regresso Autor: Michael Punke Editora: Intrínseca Lançamento: 2002 Valor: 32 reais

3) Perdido em Marte

O autor Andy Weir é filho de um físico de partículas e trabalhava com ciência da computação antes de começar a escrever. Esse conhecimento científico ajudou na hora de elaborar a trama sobre um astronauta abandonado em Marte pelos companheiros de missão. O manuscrito de Weir foi recusado por várias editoras, o autor decidiu então publicar a obra na internet de graça, um capítulo por vez. A história fez tanto sucesso que os fãs pediram que ele disponibilizasse uma versão para o Kindle. O livro logo atingiu o topo da lista de mais vendidos da Amazon, o que despertou o interesse de uma editora, que finalmente decidiu lançar uma versão em papel. A obra escrita é tão ou até mais divertida que o longa. O protagonista, vivido por Matt Damon no cinema, faz o que pode, em um esquema de ciência maluca, para sobreviver no planeta vermelho. São poucas as diferenças entre livro e filme. Porém, a produção cinematográfica perdeu um pouco da acidez da história original, especialmente de algumas piadas em tom sexual, além de uma importante trajetória do personagem que acabou de fora provavelmente por falta de espaço. O longa soma sete indicações ao Oscar: melhor filme, ator (Damon), roteiro adaptado, mixagem de som, edição de som, efeitos visuais e desenho de produção.

Perdido em Marte Autor: Andy Weir Editora: Arqueiro Lançamento: 2011 Valor: 30 reais

4) Quarto

O livro é contado através da visão do pequeno Jack, de cinco anos, que vive trancado em um quarto junto com sua mãe. Para ele, o cômodo é a sua casa, o mundo, onde ele nasceu e cresceu, mas, para sua mãe, é a prisão onde o velho Nick a mantém presa há sete anos. A própria autora Emma Donoghue escreveu o roteiro de O Quarto de Jack, o que ajudou bastante na adaptação. O filme traz poucas alterações na história, suprimindo alguns personagens que aparecem após a fuga dos dois, como os tios e a prima de Jack, que apresentam um shopping center ao menino. Há também diminuição de cenas ou situações que poderiam parecer muito grotescas para os espectadores. A produção conquistou quatro indicações ao Oscar: melhor filme, direção, roteiro adaptado e atriz (Brie Larson).

Quarto Autor: Emma Donoghue Editora: Verus Lançamento: 2010 Valor: 30 reais

 

5) Uma Ponte Entre Espiões

O filme Ponte dos Espiões é baseado em um caso real envolvendo uma troca de espiões prisioneiros entre os EUA e a URSS, durante a Guerra Fria. O advogado James B. Donovan, que foi quem organizou a operação, e é o protagonista do longa, escreveu um livro – intitulado Uma Ponte Entre Espiões – sobre o episódio. Porém, o filme dirigido pro Steven Spielberg não é baseado exclusivamente neste relato. Os roteiristas Joel e Ethan Coen usaram as memórias de Donovan, e um outro livro – intitulado Bridge of Spies em inglês – que fala sobre a troca de espiões entre as duas nações na guerra, além de uma pesquisa histórica, para criarem uma trama exclusiva para as telonas. Ponte dos Espiões inclusive concorre na categoria de melhor roteiro original no Oscar 2016. A produção também foi indicada para os prêmios de melhor filme, ator coadjuvante (Mark Rylance), trilha sonora, direção de arte e mixagem de som.

Uma Ponte Entre Espiões Autor: James B. Donovan Editora: Record Lançamento: 1964 Valor: 49 reais

6) Carol

Quando a escritora Patricia Highsmith lançou Carol – cujo título original é The Price of Salt – em 1952, ela se utilizou do pseudônimo Claire Morgan, devido à temática homossexual da história. A autora só colocou o próprio nome na obra na década de 1990. O livro foi o primeiro romance a abordar uma relação amorosa entre mulheres com um final feliz. Na história, Therese Belivet trabalha como vendedora em uma loja de departamentos, em meio a tantos rostos desconhecidos, ela fica hipnotizada ao ver uma cliente, Carol, e as duas logo começam um repentino romance. A adaptação cinematográfica é um romance cheio de clichês, mas que ganha destaque pelas ótimas interpretações de Cate Blanchett e Rooney Mara. Ambas, aliás, estão indicadas ao Oscar 2016, como melhor atriz e atriz coadjuvante. No total, o longa soma seis nomeações: roteiro adaptado, fotografia, figurino e trilha sonora.

Carol Autora: Patricia Highsmith Editora: L&PM Lançamento: 1952 Valor: 32 reais

 

Fonte: Veja

 

 

 

#30 To Kill a Mockingbird – Harper Lee

o sol e para todosCom a morte de Harper Lee na última semana, precisamos lembrar dela e exaltar seu único livro, um clássico. Li em inglês para a Cultura Inglesa e não contente vi o filme também O sol é para todos com Gregory Peck.

O livro é simplesmente senaacional e ala de justiça, inocência e racismo, temas tão atuais!

Harper era muito amiga de Truman Capote.

O livro conta a história de um julgamento, onde um negro é acusado de estuprar uma menina branca. Pela visão de Scout,  uma menina de seis anos.

A história é ambientada no estado do Alabama nos Estados Unidos durante a Grande Depressão. O sul dos Estados Unidos que na época era extremamente racista. Então quando o caso do estupro aparece, não existem dúvidas que o acusado é realmente culpado.

O pai da Scout, Atticus Finch, vai defendê-lo no tribunal. Ele é tremendamente mal visto por fazer isso, mas ele sabe que é a coisa certa a ser feita. A primeira parte do livro, no entanto, foca em Scout, no seu irmão Jem e no amigo Dill que sempre visita nas férias de verão. Mostra o amadurecimento deles e como eles vão crescendo e vendo como o mundo realmente é.

Contudo, quando o caso do tribunal entra em cena, o livro ganha outro prisma.

O livro fala também do relacionamento entre pais e filhos e como Atticus queria que os filhos soubessem o que é ter coragem  e  vivessem num mundo melhor.

Super indico!

 

Dobradinha Literária #36: Dicas de Livros que viraram filmes!

Olá amigos!
Interessados em uma dica para descobrir  novos livros que já possuem grandes produções cinematográficas? Deixo um pequeno Top 05 que atenderá um pouquinho de cada gosto literário por ai ok?
CORACAO_DE_TINTA_1237915708B01. Coração de Tinta: Há muito tempo Mo decidiu nunca mais ler um livro em voz alta. Sua filha Meggie é uma devoradora de histórias, mas apesar da insistência não consegue fazer com que o pai leia para ela na cama. Meggie jamais entendeu o motivo dessa recusa, até que um excêntrico visitante noturno finalmente vem revelar o segredo que explica a proibição.

É que Mo tem uma habilidade estranha e incontrolável: quando lê um texto em voz alta, as palavras tomam vida em sua boca, e coisas e seres da história surgem como que por mágica. Numa noite fatídica, quando Meggie ainda era um bebê, a língua encantada de Mo trouxe à vida alguns personagens de um livro chamado “Coração De Tinta”. Um deles é Capricórnio, vilão cruel e sem misericórdia, que não fez questão de voltar para dentro da história de onde tinha vindo e preferiu instalar-se numa aldeia abandonada. Desse lugar funesto, comanda uma gangue de brutamontes que espalham o terror pela região, praticando roubos e assassinatos. Capricórnio quer usar os poderes de Mo para trazer de “Coração De Tinta” um ser ainda mais terrível e sanguinário que ele próprio. Quando seus capangas finalmente sequestram Mo, Meggie terá de enfrentar essas criaturas bizarras e sofridas, vindas de um mundo completamente diferente do seu. Fonte: Skoob

A_IRMANDADE_DAS_CALCAS_VIAJANTES_1350144159B02. A Irmandade das Calças Viajantes ou para o cinema : Quatro amigas e um Jeans viajante
 Uma celebração a amizade
Tenho uma quedinha para livros infanto juvenis, às vezes o livro é uma perda de tempo e em outros casos, como agora, a leitura se torna maravilhosa.
Há um momento da nossa vida, em que ao passamos para a vida adulta e as amizades se põem à prova: algumas se fortalecem e outras deixam de existir, seja porque mudamos de escola, mudamos de gostos ou de interesses. Tibby, Carmen, Bridget e Lena estão passando por esse momento, possuem temperamentos e objetivos diferentes e vão passar as primeiras férias longe uma das outras.
As quatro meninas possuem uma amizade imprevista, herdada e assumida de suas mães. Tanto elas quanto suas famílias são bem diferentes, em outra realidade, talvez nem fossem amigas, mas o destino quis que elas se unissem.
A calça comprada num brechó vai sendo transferida de amiga a amiga e serve de amuleto. É uma calça mágica? Possivelmente não, é mais aquele item que achamos que traz sorte, mas só nos dá confiança.
No decorrer da história, conferimos que cada menina possui seu drama pessoal que vai sendo superado com o amadurecendo de cada amiga: Carmem com sua dificuldade de aceitação, Lena com seu isolamento, Tibby com sua hostilidade e Bridget com sua compulsividade.
Esse livro, gostoso de ler, possui uma continuação e adaptação cinematográfica bem fiel ao original com o nome “Quatro amigas e um jeans viajante”, destacando Amber Tamblyn no papel de Tibby, Alexis Bledel como Lena, America Ferrera como Carmen e Blake Lively interpretando Bridget.
Vale a pena a leitura para os mais velhos e principalmente a indicação para os mais novos.
Fonte: http://www.rascunhocomcafe.com/
O_TALENTOSO_RIPLEY_1257804962B02. O Talentoso Ripley :   Tom Ripley sobrevive de trambiques em Nova York. Certo dia, o milionário senhor Greenleaf o procura, supondo que seja um grande amigo de seu filho Dickie. Greenleaf lhe oferece uma viagem à Europa para tentar trazer Dickie de volta aos EUA – o rapaz leva uma vida mansa no litoral italiano, longe da família. Na Itália, Ripley desenvolve uma relação doentia e sedutora com Dickie, que passa então a rejeitá-lo. Acuado, Ripley reage de forma imprevisível. Esta obra é um clássico da literatura policial.
No Cinema : Tom Ripley (Matt Damon) possui um dom incomum: capaz de imitar, com perfeição, a asssinatura, a voz, o modo de se mexer, tudo numa pessoa. Graças a um casaco emprestado, conhece o empresário Herbert Greenleaf (James Redhorn), que lhe oferece mil dólares para ir Europa trazer de volta seu filho, Dickie (Jude Law). Ripley aceita a oferta e termina por desfrutar da boa vida e da amizade de Dickie e de sua namorada Marge (Gwyneth Paltrow), tornando-se hóspede de ambos. Entretanto, desconfianças pairam sob o passado de Ripley, criando situações contrárias aos seus interesses, o que o leva a matar Dickie e assumir sua identidade.                     Fonte: Skoob / Adorocinema
BUDAPESTE_1230864153B
04. Budapeste – Chico Buarque :
Ao concluir a autobiografia romanceada “O Ginógrafo”, a pedido de um bizarro executivo alemão que fez carreira no Rio de Janeiro, José Costa, um escritor fantasma de talento fora do comum, se vê diante de um impasse criativo e existencial.
Escriba exímio, “gênio”, nas palavras do sócio, que o explora na “agência cultural” que dividem em Copacabana, Costa, meio sem querer, de mera escrita sob encomenda passa a praticar “alta literatura”. Também meio sem querer, vai parar em Budapeste, onde buscará a redenção no idioma húngaro, “segundo as más línguas, a única língua que o diabo respeita”.
Narrado em primeira pessoa, combinando alta densidade narrativa com um senso de humor muito particular, “Budapeste” é a história de um homem exaurido por seu próprio talento, que se vê emparedado entre duas cidades, duas mulheres, dois livros, duas línguas e uma série de outros pares simétricos que conferem ao texto o caráter de espelhamento que permeia todo o romance, e que levaram o professor José Miguel Wisnik a afirmar que se trata de “um romance do duplo”. Tenso e à vontade, cultivado e coloquial, belo e grotesco, “Budapeste” traz a perfeição narrativa de “Estorvo” e “Benjamim” e confirma Chico Buarque como um dos grandes romancistas brasileiros da atualidade.
Fonte: Skoob

 

MORTE_E_VIDA_DE_CHARLIE_ST_CL_145058348132532SK1450583481B

05. Morte e vida de Charlie  St. Cloud
Um coração dividido entre dois mundos. Em uma pacata vila de pescadores da Nova Inglaterra, Charlie St. Cloud cuida dos gramados e monumentos de um antigo cemitério onde seu irmão mais jovem, Sam, está enterrado.
Após sobreviver ao acidente de carro que tirou a vida de seu irmão, Charlie recebe um dom extraordinário: ele consegue enxergar, conversar e até mesmo brincar com o espírito de Sam.
É neste mundo místico que entra Tess Carroll, uma cativante mulher treinando para navegar sozinha ao redor do mundo em um veleiro. O destino faz com que seu barco seja apanhado por uma violenta tempestade, trazendo-a assim para a vida de Charlie. Sua bela e incomum ligação os leva a uma corrida contra o tempo e a uma escolha entre a vida e a morte, entre o passado e o futuro, entre apegar-se ou deixar o passado para trás – e a descoberta que milagres podem acontecer se nós simplesmente abrirmos nossos corações.
Fonte: Skoob

#29 Giane – Guilherme Fiúza

gianeSempre admirei Reynaldo Gianecchini e depois de ler esse livro, mais ainda.

O livro fala tudo sobre a sua vida, seu casamento com Marilia Gabriela, o linfoma que teve, a passagem no hospital, as amizades, a família.

A vida de Giane é de superação a cada instante, em sua vida, que é recheada de passagens interessantes.

O ponto mais alto do livro foi  a sua luta contra o câncer, o que o deixou abalado a princípio e depois o fez mais forte.

Li muito rápido: no aeroporto e no avião, em 2013.

Super recomendo!

Sinopse: Gianecchini enfim se permitiu encarar o pensamento proibido: “Pode ser que tenha chegado a minha hora.”

No que olhou pela primeira vez para a cara da morte, a sua morte, bem de frente, foi tomado por uma calma profunda. Por um momento perdeu de vista os médicos, as enfermeiras, a empresária, a mãe, os parceiros profissionais e afetivos, a legião de fãs. Enxergou com clareza o verdadeiro lugar de todo mortal em sua condição mais pura: a solidão.

E se sentiu forte nesse lugar. Entendeu que fora exatamente dali que, ainda menino, vislumbrara o seu caminho – um caminho que o diferenciava de todos os membros de sua família, de todos os exemplos que havia à sua volta no interior, de tudo o que ouvira na escola. Sozinho, deixara Birigui de ônibus e ganhara o mundo.

Agora, a sós com seu medo, Giane foi tomado de certa excitação. O que seria aquilo? Se não era masoquismo, devia ser coragem. Estava pronto para a travessia. Qualquer uma.

 

#28 O Mundo de Sofia – Jonstein Gaardner

o mundo de sofiaA última dica do Carnaval é O Mundo de Sofia. Terminei de ler esse livro num Carnaval, o de 2000.

Sempre gostei de filosofia e esse livro é uma viagem por esse mundo de forma despretensiosa, didática e gostosa.

Amo tudo que venha da Noruega e não poderia ser diferente com a sua Literatura.

às vésperas de completar quinze anos, Sofia Amudsen começa a receber bilhetes estranhos que a fazem se questionar sobre quem é e sobre seu papel no mundo em que vivemos.

De capítulo em capítulo, passamos a conhecer os filósofos pré-socráticos e pós-modernos e acabamos nos envolvendo numa trama de mistério, com um final surpreendente.

Demorei a terminar o livro porque queria ler e refletir, mas ele é simplesmente imperdível. Estou feliz que agora minha irmã Tais o esteja lendo.

Super recomendo!! 4 corações em 5.

 

#27 Memórias de um cabo de vassoura – Orígenes Lessa

memorias de um cabo de vassouraEsse livro marcou a minha adolescência. Orígenes Lessa é um dos meus autores favoritos. estudei no Colégio Piedade até 1987 e o colégio estimulava muito a leitura com livros extra-classe e salas de leitura.

 

Neste livro, um cabo de vassoura de exímio senso crítico conta sua trajetória desde sua transformação de árvore em madeira, até sua trágica incursão ao mundo dos seres humanos e seu triste destino de utensílio de limpeza. A narrativa é irônica, dinâmica, divertida, reflexiva e prende a atenção do leitor que, pela voz do protagonista, pode reavaliar questões essenciais da natureza humana e pensar na construção de uma sociedade mais justa e solidária.

O livro é muito bom e me marcou muito. Super indico uma leitura tranquila e que parece de adolescente, mas na verdade aborda muitos temas de nossa vida adulta, numa segunda-feira de Carnaval.

 

Dobradinha Literária #35: Borges e os Orangotangos Eternos – Luis Fernando Veríssimo

11337_gAs palavras escondem segredos.

Esta obra cria histórias dentro de histórias, mistura realidade com fantasia, usa fatos históricos como ficção e ficção como fato histórico, subvertendo o que seria um romance policial num maravilhoso jogo de referências que ultrapassa os limites do ficcional, invadindo o campo da resenha e da crítica.

Participe desta viagem pelo campo das ideias, se envolva a soturna lógica e a maestria literária de Poe, teorias sobre o espelho na literatura. Some-se a tais desvelos, os estudos místicos de H.P. Lovecraft e John Dee sobre a existência de um nome secreto capaz de invocar forças ocultas destruidoras. Através das conversas entre os três, Verissimo explora as possibilidades dos intertextos e da metalinguagem.

O protagonista de Borges e os orangotangos eternos é Vogelstein, um cinqüentão solitário que vive em Porto Alegre e passou “uma vida entre livros, protegida, em que raramente o inesperado entrou como um tigre”. De repente, o destino sacode furiosamente a mesmice de sua vidinha e leva-o a um congresso da Israfel Society, formada por especialistas em Edgar Allan Poe – o precursor do romance policial moderno.

É um livro de mistério que vai além, discute filosofia e literatura num processo de auto análise construído em cima da perspectiva objetiva de Cuervo e das possibilidades literárias de Vogelstein e Borges com um desses finais de reviravolta, que roubam o fôlego.

Para surpresa de Vogelstein, desta vez a sociedade se reunirá em Buenos Aires, onde ele conhecerá seu ídolo: Jorge Luis Borges. E, por circunstâncias criadas aparentemente pelo amor à literatura, se verá no centro de um crime rocambolesco que envolve demônios arcanos e os mistérios da cabala. Inadvertidamente, alguém poderá pronunciar certas palavras mágicas e pôr em risco a existência do mundo dos homens.

O escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986) perdeu progressivamente a visão. A idéia de cegueira é explorada por Verissimo ao longo de todo o livro, pondo o leitor na trilha dessa história em que os sinais do crime estão sempre à vista. A questão é como vê-los. Borges morreu cego, mas ninguém diria que a cegueira obstruiu sua visão do mundo.

01244_pLuis Fernando Verissimo e Jorge Luis Borges são os dois grandes escritores que entram em cena no sexto volume da Coleção Literatura ou Morte – Verissimo como autor, Borges como personagem, ambos fascinados pelo crime.