Desde o começo de julho, o bairro de Guaianazes, na Zona Leste da capital de São Paulo, passou a sediar a primeira biblioteca feminista pública do Brasil, inspirada na biblioteca feminista de Paris. Na verdade, a versão brasileira se trata de um espaço revitalizado na Biblioteca Cora Coralina, que agora conta com mais de mil exemplares de livros e publicações relacionadas com a temática do movimento de luta pelo empoderamento feminino. Da mesma forma que na versão francesa, aqui no Brasil o acervo foi doado praticamente todo por entidades ligadas aos direitos das mulheres ou por próprias ativistas, que já lutavam por um espaço neste modelo no país.

A especialista em gênero Maria Lúcia da Silveira, idealizadora da ideia e funcionária da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, deu o pontapé inicial para o projeto sair do papel na biblioteca. “Já eram trabalhadas a temática negra, a temática popular, entre outras. Quando entramos nesta gestão [do prefeito Fernando Haddad], eu pude propor ao secretário [o secretário de cultura Juca Ferreira] que tivéssemos também a temática feminista, que desse conta da produção da mulher na história, além de disponibilizar livros de referência para que a mulheres pudessem conhecer a participação intelectual, científica e artística delas. O secretário topou e coletamos mil livros de doações. As doações vieram de vários lugares, desde a Fundação Carlos Chagas até uma companheira da Secretaria de Mulheres de Brasília que faleceu e a família mandou o acervo dela todo para cá”, contou.

De acordo com Maria Lúcia, alguns livros importantes como  A Mística Feminina, de Betty Friedan, e Um Amor Conquistado: O Mito do Amor Materno, de Elisabeth Badinter, ainda não estão disponíveis, mas já estão em uma lista de pedidos de doação. Apesar disso, a especialista em gênero indicou cinco publicações essenciais para quem quer se inteirar no assunto e que estão disponíveis na Biblioteca Cora Coralina. Se liga só:

indios21. Dicionário Mulheres do Brasil
Fruto de três anos de pesquisa, o Dicionário Mulheres do Brasil é uma obra coletiva organizado por Schuma Schumaher e Érico Vital Brazil. São aproximadamente 900 verbetes, 270 ilustrações e índice cronológico que resgatam 500 anos de luta feminina e conquista de direitos. Várias mulheres são reconhecidas por seu papel na sociedade e entre os nomes estão Abigail Andrade, Bertha Lutz, Clarice Lispector, Escrava Anastácia, Princesa Leopoldina e Zuzu Angel, além das várias outras que estiveram por trás dos panos da história.

 

 

2. O Segundo Sexo
O livro de Simone de Beauvoir, publicado em 1949, é ainda hoje considerado uma das produções mais importantes e influenciadoras para o movimento feminista moderno. Em O Segundo Sexo, dividido no Brasil em duas edições, Beauvoir faz uma análise da mulher na sociedade, passando pela reflexão sobre os mitos e fatos responsáveis pelo condicionamento da mulher na sociedade e abordando ainda as esferas sexual, psicológica, social e política da condição feminina.

 

MULHERES_PUBLICAS_1260102791B

 

3. Mulheres Públicas
De Michelle Perrot, o livro Mulheres Públicas discute o lugar das mulheres no espaço público. Perrot passeia por cinco grandes temas: imagens, palavras, lugares, frentes de luta e resistências na obra e, consequentemente são abordadas as fronteiras entre o público e o privado, os homens e as mulheres, o político e o pessoal. A ideia do livro é, quebrando essas fronteiras, questionar qual será a paisagem do nosso século e qual o motivo de mulheres ainda encontrarem resistência nos campos militar, político e religioso, apesar de já terem avançado na igualdade civil, na instrução, no salariado e nos esportes de alto nível.

 

4. Mulheres Negras do Brasil 
1935442_4Assim como o Dicionário de Mulheres no Brasil, Mulheres Negras do Brasil também foi organizado por Schuma Schumaher e Érico Vital Brazil. A premissa para desenvolvimento da obra foi o fato de ambos organizadores sentirem uma deficiência forte de referências e informações detalhadas sobre as mulheres negras em nossos currículos escolares, museus, liv
ros didáticos e narrativas oficiais. O livro traz a história das mulheres negras brasileiras, desde o momento em que chegaram ao país até hoje em dia. Além disso, a ideia é fomentar a reconstrução de um olhar mais crítico sobre o passado. O livro traz à luz as contribuições delas para a formação de nossa identidade e foca em superação da invisibilidade das mulheres negras.

 

5.  A Dominação Masculina 
Sem título-3Pierre Bourdieu, no livro A Dominação Masculina, reforça a necessidade de uma ação coletiva de resistência feminina que seja capaz de impor necessárias reformas jurídicas e políticas que alterem o estado da relação de forças, nos campos material e simbólico, entre os sexos. Ele fala um pouco sobre como a estrutura de dominação se estabelece, se naturaliza e acaba se perpetuando.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s