Livro inédito de Stephenie Meyer, “A química” será lançado em novembro!

Após seis anos sem publicar uma obra inteiramente inédita, Stephenie Meyer está de volta com  A química. Com lançamento marcado para 15 de novembro, o livro é um thriller de espionagem e marca o retorno da autora às obras para o público adulto, como em A Hospedeira.

O livro conta a história de uma ex-agente do governo, um dos segredos mais bem guardados de uma agência tão clandestina que nem sequer tinha nome. Quando percebem que ela pode ser um problema, passam a persegui-la. A única pessoa em quem a ex-agente confiava foi assassinada. Ela sabe demais, e eles a querem morta.

Até que um antigo mentor lhe oferece uma saída — uma oportunidade de deixar de ser o alvo da vez. Ela decide enfrentar a ameaça e se prepara para a pior batalha de sua vida, mas uma paixão inesperada parece diminuir ainda mais suas chances de sobreviver.

Uma trama repleta de tensão, na qual Meyer cria uma heroína poderosa e fascinante, com habilidades diferentes de todas as outras, e prova mais uma vez por que seus livros estão entre os mais vendidos do mundo.

destaques_redes_face

Fonte: Editora Intrínseca

Cinco livros que falam abertamente sobre suicídio e depressão

Ainda existe muito tabu ou mesmo resistência para falar sobre doenças psicológicas, como a depressão. Ela é uma das principais causas de suicídios no mundo e apesar de ser um problema de saúde pública, muitas vezes é silenciada por falta de informação. Segundo a agência da Organização das Nações Unidas, mais de 800 mil pessoas morreram por suicídio no mundo desde 2012. Essa é a principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos e 75% dos suicídios ocorrem em países de média e baixa renda.

Para tentar reduzir esses índices, a OPAS/OMS (Organização Mundial da Saúde)  reconheceu o suicídio e as tentativas como prioridade na agenda global de saúde e incentivou países a reforçarem suas ações de prevenção, começando pela medida de falar sobre o assunto. Exatamente o tema do Setembro Amarelo, movimento que vem colorindo prédios públicos e levando personalidades a colocarem o suicídio em discussão, para reverter esse cenário e incentivar as pessoas a procurarem ajuda.

Na literatura, o fato de um assunto ainda ser tabu, muitas vezes acaba dando ainda mais gás para escritores dissertá-lo. O Estante Blog selecionou cinco títulos, desde clássicos até literatura infanto-juvenil, que lidam abertamente com a doença, ajudando a esclarecer e conscientizar os leitores. Segundo a OMS, nove em cada 10 casos de suicídio poderiam ser prevenidos, ou seja, ainda há muita esperança. Veja a lista abaixo:

 

O Demônio do Meio-dia: uma Anatomia da Depressão – Andrew Solomon (2000)

downloadPublicado originalmente em 2000, O Demônio do Meio-Dia é uma importante referência sobre a depressão, para leigos e especialistas. O autor intercala relatos pessoais de sua batalha contra a doença com depoimento de vítimas da depressão e opiniões de especialistas. Solomon desconstrói mitos, explora questões éticas e morais, descreve remédios disponíveis, a eficácia de tratamentos alternativos e o impacto que a depressão tem nas várias populações. O livro foi vencedor do National Book Award, finalista do Pullitzer, e eleito um dos 100 melhores da década de 2000 pelo jornal britânico The Times. Em um capítulo dedicada ao assunto, Solomon explica: “Muitos depressivos nunca se tornam suicidas. Muitos suicídios são cometidos por pessoas que não são depressivas. Os dois elementos não são partes de uma única equação lúcida, uma ocasionando a outra. São entidades separadas que com frequência coexistem, influenciando-se mutuamente”.

download

 

As Vantagens de Ser Invisível – Stephen Chbosky (2007)
Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras. O livro reúne os escritos de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe – a não ser pelo que ele conta nessas correspondências -, que vive um claro quadro de depressão. Charlie conta um pouco da sua vida nos anos 1990 e suas palavras mostram que ele vive entre a apatia e o entusiasmo, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela. A obra foi adaptada para o cinema em 2012, com Logan Lerman, Emma Watson e Ezra Miller no elenco.


 

As Virgens Suicidas – Jeffrey Eugenides (1993)

13165_gg-200x300Ambientado nos anos 1970, o clássico instantâneo de Eugenides tem como tema principal a história de cinco irmãs adolescentes, que se matam em sequência e sem motivo plausível. A tragédia ocorre dentro de uma família que, apesar da revolução sexual da época, ainda vive sob rígidas restrições morais e religiosas. A trama é contada do ponto de vista dos garotos da vizinhança. Em 1999, a história foi adaptada para o cinema pela diretora e roteirista Sofia Coppola.


 

 

A Redoma de Vidro – Sylvia Plath (1963)

a-redoma1-200x300A obra da poetisa Sylvia Plath é quase autobiográfica. Ela coloca muito de si na personagem principal, Esther Greenwood, que é uma jovem universitária com intensa vida social e que trabalha na redação de uma revista feminina. Inspirada no verão de 1952, quando Plath tentou suicídio, a obra mostra a jovem personagem ir parar em uma clínica psiquiátrica. A autora apresenta ao leitor uma visão crítica de quem sofre de depressão e já tentou suicídio. Se espelhando em Esther, Sylvia constrói uma narrativa singular que vai além da doença mental. Infelizmente, a autora se suicidou semanas após a publicação do livro.


 

Uma História Meio Que Engraçada – Ned Vizzini (2007)

uma-historia-meio-que-engracada-208x300Sim, a história é um pouco engraçada, você vai rir de muitas situações. Mas a verdade é que trata de suicídio, depressão e mostra outras doenças mentais. Craig Gilner é um adolescente que parece ter a vida ganha: estuda em um colégio de prestígio e está prestes a prestar um exame de admissão para entrar na faculdade. O problema é que Craig começa a se sentir pressionado por todos os lados e entra em crise. Diagnosticado com depressão, ele tenta se suicidar, mas decide ligar para o Centro de Prevenção ao Suicídio. Ele então é internado na ala de psiquiatria para adultos de um hospital pelo período de uma semana. O livro mostra as experiências do rapaz no hospital e as pessoas que ele conheceu. Em 2010, a obra foi adaptada para o cinema com o filme “Se Enlouquecer, Não Se Apaixone”.


 

Viver é a melhor opção – André Trigueiro (2015)

site-viverO jornalista André Trigueiro reúne nessa obra elementos de convicção baseados em estudos recentes da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde para afirmar a importância da prevenção do suicídio em todos os setores da sociedade. O suicídio tem provocado curiosidade e reflexão em função de casos recentes, como a morte do ator Robin Williams, as referências ao autoextermínio na cerimônia do Oscar 2015, a ação do copiloto do avião que caiu nos Alpes franceses. Isso sem falar nos casos de morte por overdoses e comuns referências sobre a falta de sentido para a vida. O livro traz como foco a prevenção do suicídio através da informação e enfoca o valor da vida, trazendo também os fundamentos do espiritismo sobre o que é o viver e a realidade da vida após a morte. Por decisão do autor, 100% dos direitos autorais foram cedidos para o Centro de Valorização da Vida (CVV).

Fonte: Estante Virtual

A garota no trem – Paula Hawkins

 

Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor

exibe_thumb Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas.

Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida.

Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.  Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota no trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

O filme A Garota no Trem tem sua estreia muito aguardada nesta próxima quinta-feira (27/10). Para os desavisados de plantão, seria interessante que todos procurassem a leitura do livro antes de ir assistir ao filme. Sim!!  Tudo foi baseado num livro. Fica a dica da sinopse do livro e o trailer do filme.

sem-titulo

Nove bibliotecas fictícias que você (gostaria, mas) nunca visitará

Você já se pegou imaginando andando pelos corredores da biblioteca de Hogwarts? Adoraria consultar os arquivos presentes no templo Jedi? Gostaria de poder ver todo o conteúdo dos cristais da Fortaleza da Solidão? Então este post é feito para você. Veja quais são as bibliotecas da ficção que todo mundo gostaríamos de visitar.

1. Biblioteca de Hogwarts

hogwarts1

Ela é um espaço importante em todos os livros e filmes da série Harry Potter. É na Biblioteca de Hogwarts que Harry, Rony e Hermione passam muitas horas (ou páginas), durante os anos que estudam na Escola de Magia e Bruxaria. E outros alunos também passam frequentemente por lá. Durante o ataque do basilisco, narrado em Harry Potter e a Câmara Secreta, o livro Hogwarts: Uma História teve uma lista de espera de duas semanas.

2. Biblioteca da Bela e a Fera

belaefera2

O filme A Bela e a Fera foi lançado em 1991. De lá para cá, a animação da Disney já encantou crianças (e adultos) de várias partes do mundo. No filme, a biblioteca do castelo de Fera se torna o lugar favorito de Bela.

3. A Biblioteca de Babel

babel2

A Biblioteca de Babel, livro do escritor argentino Jorge Luis Borges, é um enorme labirinto de prateleiras com livros. ‘Suspeito que a espécie humana está prestes a ser extinta, mas a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, equipada com volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta’, diz o narrador da história.

4. Fortaleza da Solidão

fortalezadasolidao3

Uma biblioteca que oferece conteúdo para ninguém menos que o Superman. É a Fortaleza da Solidão, uma espécie de quartel-general do herói. Nos filmes, o lugar fica em algum canto do ártico. Lá fica guardado todo o conhecimento de Krypton, o planeta original do Clark Kent.

5. Cemitério dos livros Esquecidos

sombradovento1

No livro A Sombra do Vento, lançado em 2001, o escritor Carlos Ruiz Zafón conta a história de Daniel, um garoto de 11 anos que perdeu a mãe. Para consolar o menino, o pai resolve levá-lo a uma biblioteca secreta, o Cemitério dos Livros Esquecidos.

6. Biblioteca de livros Apócrifos de O Nome da Rosa

nomedarosa3

anto o livro O Nome da Rosa, do consagrado escritor Umberto Eco, quando o filme, lançado anos depois, são clássicos. E a biblioteca de livros apócrifos, que fica na abadia medieval que serve de cenário para a trama, é importantíssima para ambos. Por quê? Bem, isso já seria spoiler (vai que alguém ainda não sabe). Vale dizer que O Nome da Rosa narra as investigações de uma série de mortes misteriosas que aconteceram no local.

7. Biblioteca de Um Sonho de Liberdade

sonholiberdade1

O filme Um Sonho de Liberdade, de 1994, já foi apontado em algumas pesquisas como a obra mais injustiçada da história do Oscar. O filme conta a história de um homem que passa quase duas décadas preso, acusado de matar a esposa e o amante dela. A biblioteca da prisão é importante na trama.

8. Arquivos Jedi

jedi2

Os Arquivos Jedi aparecem no filme Guerra nas Estrelas – Episódio II: O Ataque dos Clones. Lá está acumulado todo o conhecimento do Universo.

9. Biblioteca do filme A Múmia

mumia2

No filme A Múmia, de 1999, Evelyn é uma bibliotecária atrapalhada quando conhece o explorador Rick O’Connel. Juntos, eles descobrem antigos segredos egípcios e até mesmo ressuscitam múmias (que deveriam ficar mortas para sempre).

 

Fonte: Leitor Cabuloso

Top 10! Livros para se ler no Halloween

Coração Satânico

William Hjorstberg

O livro se ambienta em Nova York, no ano de 1955. A obra conta a história de Harry Angel, um detetive particular que está em uma busca pelo músico Johnny Favorite, desaparecido anos antes. Em sua investigação, Harry descobre que Favorite está metido em coisas sinistras. Assim, mergulha em um mar desconhecido e que não imaginava, cheio de sombras e pesadelos, onde as testemunhas podem morrer a qualquer momento e cada pista se dissolve em sangue.
A trama cresce com cada vez mais tensão e mistérios, em meio a rituais de magia negra. O livro traz, de presente para os amantes do suspense e terror, um desfecho completamente imprevisto e chocante.

Os Mortos-Vivos

Peter Straub

Os Mortos-Vivos, considerada pela crítica como uma narrativa incomparavelmente moderna, conta a história de um grupo de amigos que se reúnem duas vezes por mês para contar histórias assustadoras vividas por eles e claro, beber um pouco. Ricky Hawthorne, John Jaffrey, Sears James e Edward Wanderly juntos formam o que chamam de Sociedade Chowder.
Mas, em um certo ponto, as coisas mudam. Segredos do passado são revelados e os fantasmas de suas próprias histórias voltam à tona, não somente com o intuito de destruir a sociedade, mas de destruir toda a cidade de Millbum, onde vivem.

O Pacto

Joe Hill

Ignatius Perrish e Merrin Williams conheceram-se na adolescência e apaixonaram-se à primeira vista. O amor entre eles era como em uma história de conto de fadas: eles tinham tudo o que qualquer um deseja. Mas eles não contavam com a força do destino e que, depois de uma década de união, a história do casal estaria fadada a terminar numa terrível tragédia.
Acontece que Merrin foi estuprada e morta em condições que não conseguiram ser explicadas e, sendo assim, todas as suspeitas recaíram sobre Ignatius. Para pagar o crime, Ignatius passou um ano num purgatório de sofrimento e solidão até que, um certo dia, acorda com uma terrível enxaqueca e descobre que havia criado chifres durante a noite.
Achando que tudo não passa de uma ilusão de sua cabeça solitária, ele sai para enfrentar o mundo e descobre que, na verdade, por conta de seus supostos chifres, as pessoas abrem a boca e confessam seus piores atos e pensamentos. Assim, descobre que Terry, seu irmão, sabe quem é o verdadeiro culpado do assassinato.
Transtornado, Ignatius resolve ir atrás da pessoa que acabou com a vida de Merrin e

As Ruínas

Scott Smith

O terror psicológico é a base do romance escrito por Scott Smith. Até onde iríamos, qual o nosso limite e o que faríamos para sobreviver?
As Ruínas conta a história de quatro amigos – Jeff, Amy, Eric e Stacy -, americanos que saíram de férias para Cancún, no México. Lá, eles conhecem um jovem turista alemão que os convence a participar da busca por seu irmão, Henrich, que desapareceu com a namorada após visitar as ruínas.
O que os jovens não contavam é que ficariam presos e aterrorizados na selva, onde sinais indicam e os levam para um caminho que não planejavam seguir: em direção ao mal.

O Iluminado

Stephen King

O Iluminado é uma das obras mais aclamadas e aterrorizantes de Stephen King ao redor do mundo. O livro traz a história de Jack Torrance, um escritor decadente que enfrentou problemas alcoólicos por anos e, com muita dificuldade, tenta sustentar a esposa Wendy e o filho Danny. Com uma proposta de emprego em um hotel famoso e antigo, a família se muda e vê uma esperança para uma nova vida. Como é inverno, o hotel fecha e a família ficará sozinha ali para manter a funcionalidade do estabelecimento até a próxima temporada.
Mas, o que eles não esperavam era que Jack mergulharia na essência do Hotel Overlook, arrastando consigo a sua família para um pesadelo de terror indescritível. A única esperança de saírem de lá vivos está nas mãos de seu filho Danny, que revela sentir presença das forças malignas que se ocultam entre as paredes do hotel.

A Coisa

Stephen King

Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly moram em Derry, uma pacata cidadezinha do Maine. Durante as férias escolares de 1958, o grupo aprende o real significado da amizade, da confiança e, principalmente, do medo. Naquele verão, eles não contavam com algo: enfrentar a Coisa, um ser sobrenatural e maligno, que deixou terríveis marcas de sangue em Derry.
A cada vinte e sete anos, essa força sobrenatural, que reside na cidade, se alimenta dos piores medos e enfrentá-la é o único modo de se livrar dela para sempre. Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly fizeram isso uma vez, mas o ciclo se inicia novamente e a Coisa parece mais faminta do que nunca.
A chave do enigma pertence somente a eles, que sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. E o tempo para isso é curto.

Psicose

Robert Bloch

Psicose é um clássico que foi publicado em 1959, baseado no caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein.
O livro conta a história de Norman Bater, um homem ligado à mãe -autoritária e exagerada-, solteiro e que nunca teve um relacionamento. Se dedica principalmente ao negócio de sua família, o Bates Motel, que anda sofrendo com a perda de clientes após uma estrada alternativa para a cidade ter sido criada.
Após a morte da mãe e do padrasto, Norman se torna o gerente do Bates Motel e acaba se apaixonando por Marion Crane. Mas Norman sofre de transtorno dissociativo de identidade e, a partir do momento em que sua paixão por Marion vai aumentando, a personalidade de sua mãe domina sua mente.
“Psicose” é um clássico do terror que foi consagrado nos cinemas através da adaptação de Hitchcock. Há também a série de TV Bates Motel, que estrou em 2013 no Brasil, e que retrata a vida de Norman Bates e sua mãe.

Hellraiser

Clive Barker

O livro (que inspirou uma série de filmes) conta a história de Frank Cotton, um cara devasso e que vai em busca dos mais diferentes tipos de prazeres carnais possíveis e existentes. Mas nada parece satisfazer Frank, até que ele acaba se metendo com os Cenobitas. Ele então se dispõe a resolver um enigma: a Configuração de LeMarchand, uma espécie de chave para uma outra dimensão, lar dos Cenobitas. Quando consegue, é transportado para o reino dos Cenobitas, onde passa por terríveis experiências sensoriais que o levam à beira da loucura, e depois tem o seu corpo mutilado em um ritual que mistura sadomasoquismo e tortura e que, para seu desespero, durará por toda a eternidade.
Para voltar ao seu corpo carnal, Frank precisa da ajuda de Julia, sua cunhada e amante. Ela se muda com o marido Rory, irmão de Frank, para a casa da família e sente a presença de Frank. Sabendo de que ele necessita de sangue para voltar à vida, se dispõe a matar quem for preciso pra que o sangue traga o corpo de Frank de volta.

O Exorcista

William Peter Blatty

Se arrepiou? Um clássico, não só nas páginas, como também nos cinemas. Poucas obras conseguiram o reconhecimento mundial que O Exorcista conquistou, sendo tida como uma das obras mais assustadoras de todos os tempos e também a principal referência dos apreciadores de terror.
William Peter Blatty retrata a história da atriz Chris MacNeil, que vem sofrendo com as inesperadas e brutais mudanças de comportamento de sua filha de apenas 11 anos, Regan. Achando que sua filha está doente, Chris decide ir a vários médicos, mas nenhum deles consegue explicar com exatidão o que está havendo. Quando os médicos e a ciência não podem explicar o que há de errado com alguém, o que será que acontece?
A personalidade demoníaca vem à tona e, assim, Chris busca ajuda da Igreja para solucionar esse raro caso de possessão demoníaca.

O Cemitério

Stephen King

Stephen King é considerado por muitos como o rei do terror e O Cemitério é tida como uma de suas obras mais assustadoras. Nela, King retrata a história de Louis Creed, um jovem médico se muda com a esposa e dois filhos para uma pequena cidade do Maine. Tendo uma boa casa, um bom emprego na universidade, Louis acredita que agora encontrará a felicidade ao lado de sua família.
Mas a história muda quando, ao explorar a região, descobrem um cemitério próximo a sua casa, onde gerações de crianças enterraram seus animais de estimação. O que ele também não contava era que, além desse cemitério há outro, uma terra maligna que atrai pessoas com promessas sedutoras e onde o que sempre pareceu impossível se torna real.
Na incansável busca por uma explicação, Louis entra em um mundo cheio de mistérios, onde as fronteiras da vida e da morte se misturam de forma irreversível.

Fonte:Mensagens com amor

Fonte: Mensagens de Amor

10 PROFESSORES MARCANTES DO CINEMA

Como são retratados os professores nos filmes? Existem diversos tipos e, alguns deles, são inesquecíveis. Quem sabe o seu preferido não esteja aqui. Que tal dar uma conferida nessa lista e enviar para os seus professores preferidos?

Escritores da Liberdade

Freedom Writers – 2007

Hilary Swank interpreta Erin Gruwell, uma professora jovem e idealista que tenta combater o sistema fraco de uma escola em um bairro pobre, que está corrompida pela agressividade e violência dos alunos. A professora dá a ideia então de, por meio de diários, os estudantes escreverem sobre suas histórias de vida para, assim, criarem uma voz própria, além de descontarem os sentimentos em palavras.
O filme é baseado em fatos reais, relatados pela professora Erin Gruwell e seus alunos no livro “O Diário dos Escritores da Liberdade”.

O Sorriso de Monalisa

Monalisa Smile – 2003

No filme “O Sorriso de Monalisa”, Katharine Watson, interpretada pela atriz Julia Roberts, é um professora recém-formada que garante um emprego para lecionar aulas de História da Arte no conceituado e conservador colégio Wellesley.
Incomodada com os padrões impostos pela sociedade e claro, pelo próprio colégio, Katharine decide lutar a favor de seus ideias e acaba sendo a inspiração que tantas alunas precisavam para enfrentar os desafios da vida.

Escola da Vida

School of Life – 2005

No filme, Ryan Reynolds interpreta o Sr. D, o novo professor da Escola Fallbrook Middle. Jovem, bonito e carismático, o profissional faz sucesso com os alunos e, inclusive, com todos os colegas de trabalho, com exceção de Matt Warner (David Paymer), que almeja o Prêmio de Professor do Ano, mas teme perder sua chance de conquista para o novo e admirado educador.
O filme traz como tema a abordagem da relação entre professor-aluno e professor-professor.

O Professor Aloprado

The Nutty Professor – 1996

Em “O Professor Aloprado”, Eddie Murphy interpreta Sherman Klump, um professor universitário com grandes conhecimentos de genética, mas que é ridicularizado por seus alunos por ser extremamente acima do peso.
Porém, em determinado ponto, Sherman recebe a atenção especial da bela e jovem professora de matemática e, assim, decide ingerir um líquido ainda em fase de testes, que altera toda a sua cadeia de DNA. O resultado? Ele vira um jovem que sempre quis ser, o esguio Buddy Love.
Mas, desde então, Sherman passa a levar uma vida dupla, pois o experimento conta com um efeito de poucas horas, o que causa muitas confusões.

COMPARTILHAR

Escola de Rock

School of Rock – 2004

Jack Black interpreta Dewey Finn, um músico que acaba de ser expulso da banda em que tocava. Cheio de dívidas para pagar e sem ter muitas opções, Jack acaba aceitando dar aulas como professor substituto em uma escola particular de disciplina rígida.
Acontece que Jack não é um professor convencional, muito pelo contrário. Mas, acima de tudo, ele passa todo seu conhecimento musical para um grupo de crianças espertas e talentosas.

Mentes Perigosas

Dangerous Mind – 1995

Qual professor nunca teve que lidar com uma turma de alunos problemáticos? Esse é o problema de Michelle Pfeifer no filme “Mentes Perigosas”. Lidando com o tráfico e com a situação social em baixa de muitos alunos, a professora tenta dar o seu melhor para segurar os alunos em sala de aula para garantir-lhes um futuro melhor.
Além disso, Michelle também tem que lidar com uma escola em situação precária, que não suporta a estrutura dos alunos pois, nem papel para imprimir as tarefas possui.

Matilda

Matilda – 1996

Matilda é uma criança brilhante de apenas seis anos que é completamente rejeitada por seus pais. Ambos ignoram a filha, a ponto de esquecerem de matriculá-la na escola. Desta forma Matilda ficava sempre dentro de casa casa ou na livraria, onde costuma estimular sua imaginação e aprimorar a inteligência. Mas, após uma série de acontecimentos, seu pai decide enviá-la para escola, onde conhece a gentil professora Honey.
A professora vê todo o potencial de Matilda e reconhece que seus pais a deixam de lado, assim, ajuda a garota a enfrentar todos os seus problemas.

Professora Sem Classe

Bad Teacher – 2011

Cameron Diaz interpreta Elizabeth Halsey, uma professora cheia de caprichos e que, agora, tem como objetivo colocar silicone. Embora trabalhe como educadora, não vê a hora de deixar a função de lado. Mas todos os seus planos vão por água abaixo quando seu noivo termina o relacionamento, alegando que ela gasta demais com coisas de que não precisa. Assim, ela é obrigada a voltar para mais um ano letivo.
Sem dinheiro para bancar a tão sonhada cirurgia, ela começa a dar pequenos golpes envolvendo alunos e professores, para que possa conquistar a sua meta. Mas, quando encontra o professor Scott Delacorte, vê nele uma possibilidade de ser sustentada, pois além de tudo, ele também é bonito.

Uma Professora Muito Maluquinha

2011

Paola Oliveira vive Catharina, uma jovem que foi enviada para estudar na cidade grande, assim que criança. Após completar os estudos, aos 18 anos, retorna à cidade natal e começa a lecionar em uma pequena escola primária da região. Mas sua chegada não é bem vista pela população, que logo começa a criticar seus comportamentos diferentes do tradicional.
Mas ela não é a única pessoa nova na cidade. Junto com ela, chega o padre Beto, que acaba sendo procurado pelas professoras tradicionais da região para derrubar Catharina.
Sem muita saída e sentindo-se pressionada, a professorinha encontra-se dividida entre a paixão pelo ensino e o amor proibido pelo padre, que aflora cada vez mais em seu coração.

A Onda

Die Welle – 2008

O filme retrata a história da educação alemã, onde os alunos tem de escolher entre duas disciplinas eletivas, uma sobre anarquia e a outra sobre autocracia. Jürgen Vogel interpreta Rainer Wenger, um professor que foi designado para lecionar autocracia, mesmo sendo contra sua vontade. Em sua primeira -e forçada- aula, o professor decide formar um governo fascista dentro da sala de aula, para exemplificá-los melhor.
Então é formado “A Onda”, um movimento onde os alunos definiram um uniforme e até mesmo uma saudação. Em pouco tempo, o movimento sai da escola e atinge a população e se mostra muito parecido com um regime totalitarista que atingiu a Alemanha, o nazismo.
O filme é baseado em fatos reais.

#49 Como eu era antes de você – Jojo Moyes

como-eu-era-antes-de-voceVi o filme primeiro e depois li o livro. O filme é fiel ao livro, apesar de não mencionar a irmã de Will Traynor, Georgiana.

Mesmo sabendo o final com o filme, devorei o livro. Jojo é incisiva e nos transporta para todos os momentos vividos por Louisa e Will.

A história é deliciosa e não me furto de arriscar que é o melhor livro que li, mesmo sendo contra a Eutanásia que na verdade está no livro, mas não é o mote principal. O que nos move é o amor puro e transformador dos dois jovens. O final é triste mas nos faz acreditar que o amor é possível.

Percebemos que os dois são transformados pelo amor que sentem um pelo outro e as famílias deles também ficam envolvidas. Eles vão descobrindo o amor através do companheirismo e da aceitação de cada um. Lou é divertida, engraçada e feliz. Will é mal humorado mas mostra a Lou que ela deve aproveitar a vida e querer ser amis do que é, tomar conta de si mesma, ter uma carreira, ser independente.

A parte que mais gostei foi a do casamento em que Will vai com Lou. É o casamento da sua ex-namorada Alicia com seu melhor amigo Rupert. E eles causam, principalmente porque Lou senta no colo dele e eles dançam no salão. Eles acabam passando a noite em um hotel deixando a família preocupada. A decisão de Will foi para que Lou bebesse sem se preocupar em dirigir e relaxasse. Não acontece nada entre eles de mais, além de uma grande e definitiva aproximação.

Também somos instigados à reflexão: de que a vida é muito curta e que precisamos aproveitar todos os momentos intensamente.

A amizade e a intimidade deles ao revelar os mais profundos segredos é realmente tocante.

Super recomendo o livro se você não espera aquele tradicional final feliz dos contos de fada. O livro é realidade em dose cavalar, apesar da bela história de amor.

Por Anna Barros

 

 

Coleção Melhores Crônicas – Marina Colassanti Editora Global

Dando continuidade à coleção Melhores Crônicas, a Global Editora presenteia agora os seus leitores com uma importante seleção de crônicas de Marina Colasanti (Global Editora, R$ 45, 288 páginas). O critério da escolha dos textos feita por Marisa Lajolo foi que fossem todos excelentes. E, de quebra, alguns completamente inéditos em livro. A obra também traz toques especiais de Marina: entre as crônicas aqui reunidas, são muitas as que levam seus leitores para o mundo feminino. Na realidade, para os mundos femininos. Na passagem singular para o plural, a multiplicidade de rostos da mulher contemporânea – a gestação, o parto, o cotidiano da trabalhadora, a tão longamente reprimida sexualidade feminina.

“Cronista armada de coragem e ternura, […] mulher livre de preconceitos, crítica severa de costumes e tabus, ela sabe tirar da manga do seu casaco mágico as doses de otimismo e esperança de que tanto necessitam os pobres mortais que, como nós, vivem a dificuldade de viver.” Remy Gorga, filho

Uma obra de cabeceira, em que o leitor vai se familiarizar com uma artista muito sensível e inteligente, profundamente envolvida pelo mundo que a cerca, comprometida e solidária com as pessoas com que cruza neste nosso planeta. E também solidária com bichos e com plantas, com a água dos mares e com o brilho das estrelas.

 

título: MARINA COLASANTI: MELHORES CRONICAS
isbn: 9788526020788
idioma: Português
encadernação: Brochura
formato: 14 x 21
páginas: 288
coleção: MELHORES CRONICAS
ano de edição: 2016
edição:

Ex-diretoras da extinta Cosac Naif inauguram a Editora Ubu

16260432

“Só vamos sair daqui quando estivermos a ponto de matar alguém!” Florencia Ferrari, ex-diretora editorial da Cosac Naify, diz a frase e aponta para o cenário espartano à sua volta: pé-direito alto, estantes de metal, bancadas de madeira -o luxo é só uma varandinha.

É nesse lugar, em um prédio no largo do Arouche, que ela e Elaine Ramos, ex-diretora de arte da Cosac, botam de pé sua nova casa, a editora Ubu. Às duas, veio juntar-se Gisela Gasparian, ex-executiva de fundos de investimento -e neta de Fernando Gasparian, fundador da editora Paz e Terra.

O escritório minimalista -e a sócia que acha planilha “uma delícia”- já mostra a principal diferença entre a Ubu e a Cosac Naify: a nova editora precisa botar tudo na ponta do lápis, porque não há um mecenas para vir em seu socorro.

Para iniciar suas atividades, a Ubu escolheu lançar, em coedição com o Sesc, obra que é marco fundamental nos estudos sobre a formação brasileira: trata-se do clássico Os sertões, de Euclides da Cunha. A publicação celebra também os 150 anos do nascimento do escritor.

O projeto se desdobrou em duas edições: a crítica e a crítica completa (box). A edição crítica completa, cuja tiragem é de apenas 1000 exemplares, conta com dois volumes. O primeiro traz a obra de Euclides da Cunha, extensa fortuna crítica, reprodução de páginas das cadernetas de campo do autor e um conjunto de imagens de Flávio de Barros, único registro fotográfico conhecido do conflito. O segundo, Variantes e comentários, apresenta estudo minucioso sobre as diferentes edições de Os sertões. A caixa com os dois volumes é vendida exclusivamente nas lojas da Livraria Cultura. O primeiro volume pode ser adquirido separadamente: trata-se da edição crítica, que pode ser comprada no site da Ubu.

3-volumes-2-c

No volume Variantes e comentários, Walnice Nogueira Galvão apresenta uma análise minuciosa das edições publicadas em vida por Euclides da Cunha. A estudiosa descreve as variações gráfica e ortográfica, bem como os exemplares que utilizou para seu trabalho. A comparação expõe as mudanças empreendidas pelo escritor em seu texto. Nogueira Galvão chama atenção para esse fato: “[…] mal sabiam os modernistas que em Euclides contavam com um abridor de caminhos. As numerosas emendas a que submeteu as sucessivas edições de Os sertões, enquanto viveu, apontam para um progressivo abrasileiramento do discurso”.

O trabalho comparativo define o texto de Os sertões de ambas edições. Os critérios de estabelecimento e a explicação de como o cotejo foi realizado são apresentados apenas na edição crítica completa.

Fonte: site Hoje em dia / Ubu Editora